domingo, 11 de junho de 2017

Ser mãe solteira já é possível em Portugal

Atualmente qualquer mulher, independentemente da sua orientação sexual e do seu estado civil, já pode recorrer a tratamentos de procriação medicamente assistida em Portugal.

Até aqui só as mulheres heterossexuais, casadas ou em união de facto há pelo menos 2 anos é que podiam ter acesso a estes tratamentos. Por essa razão, muitas das mulheres solteiras ou casais de mulheres iam ao estrangeiro, principalmente a Espanha para engravidar.


A lei foi aprovada em junho de 2016 (pode ver aqui) mas a regulamentação só surgiu em dezembro do mesmo ano (ver aqui). Desde então algumas dezenas de mulheres já recorreram aos centros de Procriação Medicamente Assistida.

Pelo que se sabe, de momento, dada a existência de listas de espera de alguns meses nos centros públicos, estes tratamentos só foram realizados em centros privados.



Existem vários tratamentos disponíveis, mas deve ser o médico a indicar qual o mais apropriado para cada caso. O mais simples é a inseminação artificial intra-uterina com sémen de dador. Este tratamento consiste em fazer uma suave estimulação dos ovários da mulher e em colocar o sémen na cavidade uterina perto do momento da ovulação. A taxa de sucesso por tratamento ronda os 20% e o tratamento pode custar até 1500 euros. Aconselha-se a fazer no máximo 3 a 4 inseminações uma vez que a partir dai as taxas de sucesso não vão aumentar.

Outro tratamento disponível é a fecundação in vitro. Neste tipo de tratamento a fecundação ocorre fora do corpo da mulher pelo que todo o processo é mais controlado. Pode saber mais aqui. As taxas de sucesso deste tratamento variam consoante a idade da mulher e se a mesma tem algum problema de infertilidade (endometriose, ovários poliquísticos, etc.). Poderá dizer-se que as probabilidades de sucesso rondam os 45%. Os custos deste tratamento são aproximadamente 5 mil euros.

Se tomou finalmente a decisão de querer ser mãe, não espere mais tempo. A idade da mulher pode ser um fator decisivo neste processo. Converse com o seu médico ginecologista, pode ser que ele lhe consiga recomendar algum centro de procriação medicamente assistida. Se lhe indicar mais do que um, compare os preços, mas sobretudo compare os resultados que cada um lhe oferece por tratamento. Afinal, se as probabilidades de engravidar num primeiro ciclo forem maiores pode compensar o preço. Boa sorte! E não desanime caso não tenha sucesso na primeira tentativa!


#tratamentospma; #tratamentomulhersolteira; #fecundaçãoinvitro; #inseminação

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Mãe depois dos 40…

Hoje em dia, devido a várias circunstâncias, para muitas mulheres a maternidade chega mais tarde. Ou porque ainda não terminaram os estudos, ou porque estão à espera de maior estabilidade económica ou simplesmente porque ainda não encontraram o parceiro ideal.

Estes são alguns dos motivos pelos quais as mulheres adiam a maternidade. Infelizmente o nosso “relógio biológico” nem sempre está sincronizado com o “relógio pessoal”. E quando o alarme do “relógio pessoal” dispara, por vezes é só depois dos 40 e pode ser mais complicado.

A idade ideal para uma mulher ter filhos é entre os 19 e os 34 anos (podem ver mais dados aqui). Cada mulher nasce com um número limitado de óvulos que vai gastando ao longo da vida. Por volta dos 35 anos, não só vai diminuindo a reserva ovárica (existem menos óvulos) mas também a qualidade dos óvulos começa a piorar pois começam a surgir alterações genéticas. A partir desta idade, não só é mais difícil engravidar como também começam a aumentar as probabilidades de anomalias genéticas nos bebés. Para terem uma ideia, a percentagem de óvulos normais (com os 23 cromossomas) numa mulher com 30 anos é aproximadamente 70%, mas chegando aos 40 anos, apenas 30% podem estar bem.

Creative Commons

A grande maioria das mulheres com mais de 40 anos, que desejam ser mães pela primeira vez, tem que recorrer a centros de procriação medicamente assistida e pedir ajuda de um especialista para engravidar. Existem várias opções de tratamentos mas o médico tem que definir juntamente com a paciente qual o mais adequado. Os tratamentos mais simples (inseminação ou coito programado) podem ser realizados mas é importante que o sistema reprodutor da mulher esteja bem e nomeadamente as trompas não estejam obstruídas. O médico poderá também optar por um tratamento mais complexo, a fecundação in vitro (FIV) que apesar de ser economicamente mais dispendiosa tem melhores resultados. Caso a reserva de óvulos seja já muito baixa, existe um tratamento alternativo que consiste em receber óvulos de uma mulher mais jovem (dadora) e que tem taxas de sucesso elevadas.

Hoje em dia é possível ser mãe pela primeira vez depois dos 40, mas é importante que a mulher tenha consciência que pode demorar algum tempo até engravidar.

Boa sorte! Não desista!
#maedepois40
 #fiv
#inseminacao
#ovulos
#dadoraovulos

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Não desistam dos vossos sonhos ...

Hoje tive a sorte de poder ir assistir a um dos maiores eventos que já passou por Lisboa: a WebSummit. Esta conferência sobre empreendorismo, tecnologia e inovação é a maior da Europa, e reuniu mais de 53 000 pessoas em Lisboa. O evento teve início no passado dia 7 de novembro e termina já amanhã.

Não vos venho falar da conferência em si nem da fantástica organização deste evento. Apenas queria partilhar convosco que assisti à entrevista da atleta portuguesa Patrícia Mamona, a qual achei bastante motivadora.

A atleta falou do seu percurso até chegar a atleta de alta competição, das escolhas que teve que fazer e das dificuldades que enfrentou. Entre outras coisas, mencionou que aos 18 anos teve que ir estudar para os Estados Unidos, onde concluiu a licenciatura em Medicina, pois só ai conseguiu conciliar os estudos com o desporto.



Comentou que havia quem dissesse que ela não tinha corpo de atleta para realizar aquele tipo de competição: não era alta nem magra. Que não valia a pena continuar. Mas para mim o momento auge daquele discurso foi quando se voltou para a plateia com os olhos brilhantes de emoção e disse: "não deixem nunca de seguir o vosso instinto e realizar os vossos sonhos! Os resultados não são imediatos e é preciso ter paciência!”. De facto, a prova da sua determinação são as várias medalhas que já ganhou!

Esta frase, que aliás ouvimos constantemente, impactou-me ainda mais, talvez porque a Patrícia estava ali, mesmo ao pé de mim, e ela era a prova de que o sucesso não vem sem esforço e paciência. Era isto que queria partilhar convosco. Temos que ser persistentes para perseguir os nossos sonhos e muito pacientes! Não desistam! Vai valer a pena!

Tenham uma boa noite!

#websummit; #patriciamamona

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Procriação Medicamente Assistida alargada a todas as mulheres

Atualmente em Portugal os tratamentos de procriação medicamente assistida (PMA) só são permitidos a casais heterossexuais, casados ou que vivam em união de facto há pelo menos dois anos. A nova lei que foi agora publicada permite o alargamento destes tratamentos a todas as mulheres e entra em vigor já a partir de 1 de agosto de 2016.

Para a concretização dos tratamentos ficamos ainda a aguardar a regulamentação da mesma lei que deve ocorrer num prazo máximo de 120 dias.

Fonte: creative commons

#pma; #procriacaomedicamenteassistida; #mulheressolteiras


quarta-feira, 8 de junho de 2016

Promulgação da lei de PMA a todas as mulheres

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou hoje a lei que permite o alargamento do tratamentos de Procriação Medicamente Assistida (PMA) a todas as mulheres.
Não deixou contudo de expressar as suas dúvidas no que respeita aos direitos da criança nascida através destes tratamentos, pela impossibilidade desta vir a conhecer o "pai" biológico

                Será que vêm ai novas recomendações no que respeita ao anonimato das doações?


Já o diploma da gravidez de substituição foi vetado pelo Presidente da República tendo este referido que se baseou nos pareceres do Conselho Nacional de Ética e para as Ciências da Vida. "Assim sendo, entendo dever a Assembleia da República ter a oportunidade de ponderar, uma vez mais, se quer acolher as condições preconizadas pelo Conselho Nacional de Ética e para as Ciências da Vida, agora não consagradas ou mesmo afastadas", acrescenta o Presidente. (in RTP notícias)

Parece que vamos ter que aguardar mais um tempo para que a Assembleia da República possa ponderar as possíveis alterações. 



#gravidezsubstituicao; #maternidadesubstituicao, #barrigaaluguer

domingo, 22 de maio de 2016

Questionário sobre o blogue. Porque a sua opinião é importante!

Queridas leitoras e leitores,

O blog "O meu Laboratório de Sonhos" vai completar 3 anos no final deste ano. Este projeto foi criado com o objetivo de ajudar a resolver dúvidas sobre infertilidade e apresentar também conteúdos relacionados com a família e as crianças.

Para que este projeto continue a crescer é fundamental a vossa opinião. Venho por isso pedir a vossa colaboração para o preenchimento de um questionário rápido e anónimo sobre o blogue.
Agradeço desde já a vossa colaboração!


segunda-feira, 25 de abril de 2016

Doação de sémen e de ovócitos, porque não ajudar?

Hoje em dia, há muitos casais que recorrem a tratamentos de procriação medicamente assistida mas para que os tratamentos resultem em gravidez, necessitam de utilizar óvulos ou sémen de um (a) dador(a).

Creative Commons Licensing [Flickr, Our 3 Week Old Girl, Jan. 28, 2008]
As razões mais frequentes que levam a que uma mulher necessite de óvulos de uma dadora são a falência ovárica precoce e a idade. No caso dos homens, o fator principal para necessitarem de sémen de um dador é a ausência de espermatozóides no ejaculado.

Atualmente a procura de gâmetas (óvulos ou sémen) doado é superior às dádivas realizadas, razão pela qual, a concretização dos tratamentos demora ainda algum tempo.

Segundo a lei portuguesa, a seleção do dador deve ser feita com base na idade, saúde e antecedentes médicos. Mais concretamente, os dadores não devem ter mais do que 45 anos e as dadoras não devem ser maiores de 35 anos. Já a lei brasileira também estabelece um limite de 35 anos para a dadora de óvulos mas o dador de sémen pode ter até 50 anos.

Está neste momento a decorrer em Portugal uma campanha desenvolvida pela Associação Portuguesa para a Fertilidade (APF) para sensibilizar os jovens universitários para que façam doação dos seus gâmetas. Vejam a reportagem que passou recentemente na RTP1. Com o depoimento de uma dadora de óvulos e de um casal que recebeu óvulos doados.


#doação de óvulos
#tratamentos de PMA