segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Primeiro bebé nascido de uma mulher com útero transplantado

Mais um grande avanço na área da medicina da reprodução: uma mulher com 36 anos deu à luz o primeiro bebé nascido de um útero transplantado.

Esta mulher que tinha nascido sem útero devido a uma anomalia congénita do aparelho reprodutor feminino (Síndrome de Rokitansky) recebeu num hospital de Gothenberg na Suécia (Hospital Universitário de Sahlgrenska) o útero de uma amiga da família de 61 anos. A dadora que ainda é viva, tinha entrado na menopausa há 7 anos atrás e tinha sido mãe aos 26 e aos 29 anos de idade, os seus partos foram vaginais e ambos terminaram às 41 semanas.

Depois do transplante, a mulher teve a primeira menstruação após 43 dias e a partir dai começou a ter menstruações regulares com intervalos de 32 dias.

Os ciclos de fertilização in vitro tinham sido realizados entre 18 e 6 meses antes do transplante, utilizando a técnica de ICSI e os embriões resultantes foram congelados. Passado 1 ano após o transplante, foi programada a transferência de 1 embrião num ciclo natural da mulher (a equipa médica não quis arriscar uma gravidez gemelar). Foram descongelados 3 embriões mas apenas 1 tinha qualidade para ser transferido (tinha sido congelado com 4 células e 3 células tinham sobrevivido à descongelação). A probabilidade de gravidez estimada pela equipa médica para aquele tratamento era de 16% mas o milagre aconteceu e passada 3 semanas o resultado do teste de gravidez foi positivo!

A gravidez decorreu de forma normal até às 31 semanas. Os parâmetros obstétricos estavam dentro da normalidade e por essa razão a mulher pôde trabalhar até à véspera do parto. Quando cumpriu as 31 semanas e 5 dias, a mulher foi internada no Hospital com pré-eclampsia  apresentando uma pressão arterial de 180/120 mm Hg, ligeiras dores de cabeça e proteinúria. 16 horas após ter dado entrada no hospital foi realizada cesariana e nasceu um rapaz com 1775 g, 40 cm e um índice de APGAR de 9, 9 e 10.
Hoje sabemos que o bebé nascido em setembro e a sua mãe se encontram em perfeito estado de saúde.

Primeiro bebé nascido após transplante de útero. Fonte: The lancet. 


Em 1978 recebemos a notícia do nascimento de Louise Brown, a primeira bebé nascida com a ajuda das técnicas de fertilização in vitro. Desde então tem sido feitos inúmeros progressos na área da medicina da reprodução e muitas são as causas de infertilidade que hoje em dia podem ser tratadas. Contudo, o fator uterino grave, neste caso, a ausência de útero continuava a ser um obstáculo importante nesta área. As mulheres nestas condições apenas podiam ter filhos biológicos se recorressem a úteros de "aluguer". Este acontecimento veio demonstrar que o transplante de útero é possível e funciona. Resta agora saber qual a eficácia deste tipo de tratamento e quais os seus riscos e se este procedimento pode ser a solução para as mulheres com problemas uterinos graves.

Para mais leituras deixo-vos aqui o artigo publicado na revista britânica The lancet.