quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A importância de cuidar da alimentação antes de engravidar

Há duas épocas do ano em que tomamos especial atenção à alimentação: o início do verão (se possível algumas semanas antes das férias) e no final da época natalícia. Contudo há situações que nos fazem também mudar os hábitos alimentares como é o caso de uma doença (como por exemplo o excesso de colesterol, diabetes, hipertensão) ou uma gravidez.

Sabemos que durante a gravidez, uma etapa tão especial em que estamos a gerar um novo ser, necessitamos de ter muito cuidado para ingerir os nutrientes necessários para que o futuro bebé cresça saudável. Diversos estudos apontam que a dieta pré-conceção e pós gravidez pode influenciar o desenvolvimento do futuro bebé, o parto pré-termo e pode também ser responsável pelo aparecimento de certas doenças maternas como a pré-eclampsia e a diabetes gestacionais.

Mas será que não deveríamos a começar a cuidar o nosso corpo a partir do momento em que desejamos ser pais? Será que durante a gravidez ainda vamos a tempo para restabelecer os níveis de nutrientes necessários para o nosso corpo e para o do nosso bebé? Toda a gente sabe que a dieta deve começar umas semanas (ou meses) antes das férias para que se vejam os resultados… para engravidar não deveríamos fazer o mesmo, não deveríamos começar uns meses antes a preparar o nosso corpo? Claro que sim!

Caso pretenda engravidar para além de ser importante marcar consulta com o seu ginecologista deveria também pedir conselho a um nutricionista. É importante que os dois tenham um plano de alimentação cuidado que inclua os nutrientes necessários.

Como já referi anteriormente, a obesidade é uma das causas da infertilidade. E em certas situações, basta que a mulher perca 10% do seu peso para que os seu aparelho reprodutor comece a funcionar e ela consiga engravidar. O mesmo se passa com o homem. O excesso de peso pode conduzir a um sobreaquecimento dos testículos ou a impotência sexual.


A regra fundamental é:

- Devem ambos ter um peso adequado (o IMC deve estar entre os 18,5 e 24,9 Kg/m2). Ou seja, tanto o homem como a mulher não devem ser nem demasiado magros nem demasiado gordos pois há estudos que referem que ambas as situações têm um impacto negativo na fertilidade do casal.

A mulher deverá incluir na sua dieta, ácido fólico, ferro, vitamina A (cuidado com o excesso!), vitamina D e zinco, entre outros.

O homem deverá incluir na sua dieta ácido fólico, DHA e antioxidantes.

Estes nutrientes são meramente orientativos. Animen-se e consultem um especialista! Vão ver que vai valer a pena!