quarta-feira, 16 de abril de 2014

Analisando o sémen...

Quando um casal vai pela primeira vez a uma consulta de infertilidade, o médico irá colocar algumas questões sobre o estado de saúde e hábitos do casal e também irá solicitar uma série de análises. É muito importante avaliar ambos os membros do casal, e sobretudo nos casos em que nunca ocorreu gravidez prévia, é muito frequente o médico solicitar uma análise ao sémen.


Análise de sémen: o espermograma

O sémen é composto por espermatozóides e por flúidos dos orgãos sexuais anexos (próstata e vesículas seminais).

Quando é realizada a análise de uma amostra de sémen, é feito um diagnóstico que de certo modo permite avaliar o potencial fértil de um homem e aconselhar qual o tipo de tratamento de fertilidade que se adequa ao casal. De modo algum podemos inferir se o homem será capaz de gerar ou não uma gravidez, já que para que tal aconteça tem que haver uma conjugação de múltiplos factores (masculinos e femininos). A análise do sémen pode variar muito ao longo do tempo e em algumas situações, para se poder confirmar o diagnóstico, é necessária a realização de um novo exame passados uns meses. Alguns factores externos como a febre, a ingestação de medicamentos, o tempo prolongado de abstinência sexual, podem alterar os parâmetros seminais pelo que o homem deve sempre responder ao questionário que lhe é colocado quando entrega a sua amostra de sémen.

Para a avaliação seminal, são normalmente utilizados os critérios definidos pela organização mundial de saúde que foram actualmente revistos em 2010 (OMS 2010).

Indicações para recolha da amostra:
A amostra de sémen deve ser recolhida por masturbação, e transportada à temperatura ambiente para o laboratório onde vai ser avaliada no espaço máximo de uma hora. Geralmente recomenda-se uma abstinência sexual de 3 a 5 dias. Não é conveniente uma abstinência muito prolongada pois são acumulados radicais livres que podem deteriorar a qualidade dos espermatozóides. A recolha de sémen é geralmente feita para um copo de plástico estéril (os mesmos que são utilizados para fazer recolha de urina para análise), no entanto também pode ser feita mediante o uso de preservativo especial (estes preservativos não podem conter qualquer agente espermicida pelo que devem ser fornecidos pelo laboratório de análise). Não se recomenda fazer a recolha de sémen após coito interrompido pois podem ser perdidas as primeiras gotas da ejaculação que são precisamente as mais concentradas em espermatozóides e por outro lado, pode aumentar a presença de bactérias.
Após a recolha de sémen, é muito importante verificar que o frasco de urina está devidamente identificado. A etiqueta deve estar colada no frasco e não na tampa do mesmo.

Parâmetros avaliados:
É feita uma análise macroscópica e microscópica do sémen.

Análise macroscópica:
- côr;
- viscosidade;
- volume;
- pH.

Análise microscópica:
- concentração de espermatozóides;
- mobilidade;
- aglutinação;
- morfologia.

A análise da concentração dos espermatozóides, é feita colocando uma pequena quantidade de sémen (10 µl) numa câmara especial para contagem – Mackler ou Neubauer. A mobilidade dos espermatozóides também é calculada nesta mesma câmara e para tal são estudados 100 espermatozóides.

PARÂMETROS SEMINAIS NORMAIS SEGUNDO OS CRITÉRIOS DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS 2010)

• Volume de sémen ≥ 1,5 ml
• Concentração/ml ≥ 15 milhões /ml
• Mobilidade:
      o espermatozóides móveis progressivos ≥ 32%
      o espermatozóides móveis ≥ 40 %
• Morfologia ≥ 4% espermatozóides normais
• Vitalidade ≥ 58% espermatozóides vivos
• pH ≥ 7,2
• Leucócitos < 1,0 milhões/ml

E de acordo com estes parâmetros podemos classificar o sémen do seguinte modo:

Normozoospermia
A amostra de sémen cumpre os critérios da OMS 2010
Azoospermia:
Ausência de espermatozóides no ejaculado
Oligozoospermia:
Concentração de espermatozóides inferior ao valor de referência
Criptozoospermia:
Concentração de espermatozóides inferior a 0,1 mihões/ml
Astenozoospermia:
Mobilidade dos espermatozóides inferior ao valor de referência
Teratozoospermia:
% de espermatozóides inferior a 4%
Necrozoospermia:
% de espermatozóides vivos inferior a 58%

É importante referir que apesar de uma amostra de sémen ser considerada normal, não significa que os espermatozóides sejam capazes de fecundar e o contrário também se verifica, isto é, apesar de uma amostra não cumprir algum dos critérios de normalidade os espermatozóides podem ter capacidade de fecundação.

Um casal quando recebe o resultado da avaliação seminal, não deve ficar apreensivo. É muito importante que conversem com o médico assistente pois apesar de se verificarem alterações significativas de normalidade, actualmente existem tratamentos que poderão ajudar a ultrapassar as dificuldades! Nomeadamente, caso se observe baixa concentração de espermatozóides, mediante a técnica de microinjecção espermática (ICSI) é possível fecundar os ovócitos e assim obter embriões!

Para concluir, gostava de referir a importância de avaliar o parceiro masculino pois 40% das causas de infertilidade são de origem masculina!!!