quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Quem recorre a tratamentos de procriação medicamente assistida em tempo de crise?

Achei interessante partilhar convosco este artigo.

Apesar da crise económica, que tem provocado a diminuição do número de tratamentos de procriação medicamente assistida, tem-se observado que o recurso a estas técnicas não diminuiu em determinados grupos etários. Segundo o estudo apresentado, tem-se observado um aumento do número de casais com mulheres com idade igual ou superior a 38 anos que recorrem a estes tratamentos.

Como consequência imediata, observa-se que o número de crianças nascidas com recurso a estas técnicas tem vindo a diminuir uma vez que, há mais senhoras com idade igual ou superior a 38 anos que são geralmente as que apresentam pior prognóstico: menor quantidade e qualidade de ovócitos. E como tal, têm menor probabilidade de engravidar do que as de menor idade.

Na maioria dos casais jovens, o projecto reprodutivo pode ver-se adiado devido à situação económica e à instabilidade laboral.

De facto é importante que os casais quando decidam construir família não adiem por muito tempo o início dos tratamentos, já que, a partir de uma certa idade da mulher, as probabilidades de sucesso vão diminuindo.

Deixo-vos o link para darem uma espreitadela! Boas leituras!